sexta-feira, 7 de outubro de 2005

Filosofia de Banheiro_ by Gregory Bergman_ Resumo

Aproveitando o embalo dos tempos, compartilho um resumo sobre Mimosa, a Vaca, metáfora recorrente da obra Filosofia de Banheiro de Gregory Bergman. O autor faz um passeio pelos principais filósofos da história das idéias_ como ele chama a tradição clássica da filosofia_ e fornece um pouco da vida e obra dos pensadores mais importantes, 24 filósofos trabalhados sobre o ponto de vista mimoseano. Ao longo do texto, Gregory utiliza uma metáfora comum como ferramenta de explicação e com a finalidade de ajudar o leitor a diferenciar os filósofos, a recorrente metáfora de Mimosa, a Vaca será, por isso, usada amplamente. “Esperançosamente”, diz ele ao final da introdução, “ela será tão útil quanto é antropomórfica.” Assim, seguem apenas os exemplos dados que giram em torno de Mimosa. Os Sofistas e Mimosa, a Vaca Uma fazendeira, que era dona de uma vaca chamada Mimosa, vendia leite estragado e muitas pessoas morriam. Mesmo assim, ela continuava a vendê-lo. E estava errada por fazer isso? De acordo com os sofistas, não há moralidade absoluta e, se há, os seres humanos não têm conhecimento disso. Fulano diz que vender o leite é errado, e Beltrano diz que é certo. Realmente, todos nós temos de lembrar que são opiniões de homens e essas opiniões diferem de pessoa para pessoa. Aristóteles e Mimosa, a Vaca A primeira e grande idéia de Aristóteles: matéria e forma. Para Aristóteles, matéria e forma são ambas coisas “reais”. Por exemplo, Mimosa, a vaca, não é vista como uma mera cópia da forma universal platônica de “bovino” (isto é, o que é uma vaca). A matéria em particular (Mimosa, a Vaca) é entendida como potencialidade enquanto a a forma é entendida como realidade. Assim, enquanto a forma universal de “bovino” é separável da vaca em pensamento, ela não é separável em ontologia (realidade). Em outras palavras, a forma “bovino” não existe em outro “mundo de formas”, mas existe dentro da própria Mimosa. (fim da vaca sofista) A segunda grande idéia de Aristóteles: as quatro causas. Ao estudar a natureza, Aristóteles estava interessado nas “causas” de cada coisa viva. Ele identificou “quatro causas” em funcionamento no mundo natural: material, eficiente, formal e final. No caso de uma vaca substancial, a causa material poderia ser o algodão e o tecido, a causa formal poderia ser seu livro azul ou forma designada, a causa eficiente poderia ser o trabalhador que fez isso, e a causa final seriam as crianças do campo que brincariam com isso. Mas Aristóteles afirmou que esse processo realmente é o responsável pelo desenvolvimento de uma vaca real como a nossa Mimosa. A causa material sendo a matéria da qual ela é feita, a causa formal sendo seu livro azul genético, a causa eficiente, sendo os processos biológicos mínimos e a causa final sendo o objetivo de desenvolvimento na fase adulta. Neste ponto de vista, o propósito de um bezerro é ser uma vaca adulta. A regularidade, na qual as coisas se desenvolvem na natureza leva Aristóteles a acreditar que “a natureza não age arbitrariamente.” (fim da vaca aristotélica) Santo agostinho Mimosa cai em desgraça A grande idéia de Agostinho: a fé rege a razão. Quando uma pessoa decide que a queda de uma vaca (derrubar uma vaca adormecida _ uma forma comum de entretenimento em áreas sem teatro adequado) é uma coisa perfeitamente legítima a fazer, ela não está usando sua razão e não está vivendo com a graça de Deus. Ou seja, quando pensamos em nós mesmos em vez de pensar em deus. Spinoza e Mimosa A segunda grande idéia de Spinoza: Deus não é a causa final. De acordo com Spinoza, deus ficou visto como “agindo em direção a um fim específico” porque os seres humanos, encontrando muitas coisas úteis na natureza, cometem o erro lógico de que esta “utilidade” implicou sua “decisão”. Por exemplo, Mimosa, a Vaca, faz o bem comendo e dá aos seres humanos a proteína para sobreviver. Ela é útil como uma fonte de alimento (desculpe, Mimosa!),mas só porque é útil não significa que ela foi criada especificamente de deliberadamente para servir a esse propósito. Essa concepção de “decisão” atribuída a deus ou à natureza veio do engano lógico que considera utilidade como “decisão”. Locke e Mimosa, o unicórnio A primeira grande idéia de Locke: a folha em branco. John Locke defendia que cada um de nós é nascido em uma Tabula rasa. Para poucos de vocês que não falam latim fluentemente, traduzido como ‘folha em branco’. Cada um de nós começa com uma folha em branco, isto é, sem uma ética inata ou princípios morais. (O que Platão acharia disso?). Dessa forma, ele acredita que todo conhecimento é derivado da experiência_ a teoria empírica. Mimosa, o Unicórnio_ até mesmo a minha idéia de Mimosa, a vaca, com um chifre de unicórnio na cabeça é derivada da experiência. Enquanto eu nunca tiver visto uma vaca com um chifre em sua cabeça (nem nunca ter visto Mimosa _ embora quase tenha uma idéia dela), seu conceito imaginativo de uma vaca-unicórnio é simplesmente o resultado da capacidade da mente de relatar uma idéia a partir da experiência (um chifre) e outra idéia da experiência (uma vaca). Hume e Mimosa é Mimosa, a Vaca A primeira grande idéia de Hume: realmente não sabemos nada. O conhecimento é supostamente derivado da experiência do mundo externo, mas não há prova racional de que tal mundo externo, mas não há prova racional de que tal mundo externo exista. De acordo com Hume, nossa idéia de alguma coisa é meramente uma cópia de nossa impressão “imediata”. Mimosa é Mimosa, a Vaca. Locke afirmou que nosso conhecimento de Mimosa, a vaca, é baseado no fato necessário de que algo causou nossa percepção dela, especificamente ela. A Mimosa, que vemos é algum tipo de representação mediada de um objeto real existente. Hume vai além e diz que não podemos fornecer base racional de que nossa idéia a seu respeito é uma representação de qualquer coisa. Além disso, Hume diz que mesmo que haja um mundo externo, todas as concepções de relações de “causa” e “efeito” no estudo científico são impossíveis de se determinar racionalmente. Por exemplo, se deixo a Mimosa cair do alto do Empire State Building e depois de se soltar da minha mão ela cai no chão, o que eu realmente presenciei? A afirmação científica de hoje é que o fato de eu deixa-la cair é uma “causa” de sua queda. Mas nunca poderemos saber a natureza de Mimosa a não ser pela nossa experiência mediada a seu respeito (presumindo que Mimosa existe além de tudo). Dessa forma, apenas podemos chegar à conclusão de que um evento, deixando-a cair, foi precedido pelo segundo evento, o fato de se esborrachar na rua 34. A idéia de que eu deixei Mimosa cair ‘produziu’ ou ‘ causou’ sua queda e não é demonstrável racionalmente. Immanuel kant e a Mimosa, a Vaca Immanuel Kant é o filósofo mais influente dos tempos modernos. Ele revolucionou o mundo filosófico com sua Crítica da Razão Pura, muito mais que os Beatles revolucionaram o mundo da música com Sgt. Pepper’s. A grande idéia de Kant: espaço e tempo. Por exemplo, Kant diria (como Hume) que nunca poderemos conhecer a natureza de Mimosa, a Vaca, fora de nossa experiência com ela. Mas, por outro lado, se Mimosa está pintada de amarelo e azul, reconhecemos mais que apenas uma mudança na cor (isto é, sensação). Na verdade, reconhecemos que a mesma entidade (a vaca) sobreviveu à mudança. Pelo fato de que nossa experiência ocorre no tempo, podemos entender a sucessão dos eventos a partir da vaca azul para uma vaca amarela, indicando uma “causa” dessa mudança. Enquanto os empíricos, como Locke ou Hume, afirmariam que o conhecimento universal do nosso mundo é impossível, Kant diz que podemos ter conhecimento universal (a priori ou não baseado na experiência) de determinados princípios, como as leis da natureza. Rousseau, Mimosa e as outras Vacas A segunda grande idéia de Rousseau: o contrato social. A vontade geral é o desejo de tudo. Não apenas a soma das vontades individuais diferentes, mas uma vontade que cada um compartilha para o benefício de todos. A sociedade é mais bem organizada quando cada indivíduo participa de sua vontade geral. Mimosa e as outras vacas. Todas as vacas na sociedade de Mimosa, a Vaca, compartilham de uma ‘ vontade’ comum, uma consciência coletiva ou nacional comum. Para o o benefício de todas as vacas nessa sociedade, Mimosa deve desistir de sua vontade individual para votar contra o projeto de lei da “ração do capim”, uma lei que declara, devido à ausência de chuva suficiente, que cada vaca pode apenas ter 350 gramas de capim por dia. Mimosa é grande e pode empurrar todas as outras vacas para fora, comendo o quanto quiser. Mas ela é uma parte da vontade geral e sabe que a lei irá beneficiar a sociedade. Ela deve renunciar ao seu desejo individual e participar inteiramente da vontade geral. Arthur schopenhauer. Mimosa sou eu. Eu sou Mimosa A primeira grande idéia de Schopenhauer: instituiu sua vontade. O princípio absoluto do mundo para Schopenhauer é a Vontade, não-espacial, atemporal e completamente sem causa. Para os humanos a vontade procura atingir a consciência e uma vez que assim tenha sido a vontade se torna representação ou Idéia. Mimosa sou eu. Eu sou Mimosa Mimosa, a Vaca, é Vontade apenas como eu sou Vontade. Mas esse princípio é apenas uma direção cega para a sua autopreservação; isso tornou-se consciência em mim. Mas, essencialmente, minha natureza é a mesma que a dela; somos ambos parte do princípio universal de vida. Somos ambos parte da Vontade. Mimosa encontra Schopenhauer II Matar Mimosa por esporte é errado, porque é somente um ato egoísta que apenas satisfaz meu desejo por diversão. Esse tipo de raciocínio moral é muito semelhante aos ensinamentos religiosos orientais do Budismo e do Taoísmo. Além de tudo, Schopenhauer estudou Literatura Sânscrita e a religião oriental e esse tipo de visão moral é semelhante a essas tradições. John stuart mill e Mimosa, a utilitária A grande idéia de Mill: Utilitarismo. Uma vez que a felicidade é o obejtivo do comportamento humano, o Utilitarismo sugere que as leis e as ações são ‘boas’ ou ‘ ruins’ dependendo de quanto ‘ útil’ elas são na busca pela felicidade. Mimosa torna-se utilitária Mimosa e suas amigas vacas decidem aprovar uma lei para pisar umas nas patas das outras. Enquanto não há nada ‘intrinsecamente bom’ a respeito dessa lei, isso fornece a utilidade de maximizar todas as habilidades das vacas para esbarrar seguramente sem interrupção e usurpação de seu espaço privado. Enquanto concorda com o método básico de determinar ações ‘ boas’, Mill concentra-se mais nos conceitos de direitos individuais e liberdades que seus predecessores utilitários. Ele também sublinha a qualidade do prazer e a dor como um padrão de determinação. Por exemplo, enquanto Mimosa pode encontrar umna grande quantidade de felicidade ou prazer ao comer capim todos os dias, a qaulidade de seu prazer’ e de experiência é questionável. “Melhor ser um ser humano insatisfeito que um porco satisfeito”, Mill reconhecidamente afirma. Soren kierkegaard A segunda grande idéia de Kierkegaard: os três estágios da vida. A estética. A ética. A religiosa. Mimosa torna-se ética João, o fazendeiro, ama Mimosa, a vaca. Nada de uma forma legal, mas ela é sua vaca preferida na fazenda. Deus fala com João e diz para ele que corte sua garganta. Embora Deus seja onisciente e todo-poderoso, João hesita, porque ele tem uma inclinação a ser ético. Entretanto, ele não faz a coisa ética; sua fé em deus e sua descoberta moral o impelem a preparar-se para a morte de Mimosa. Como na história bíblica de Abraão e Isaac, a fé de João foi testada, e Deus, então, permite a Mimosa que viva. Qual é o ponto? A imaginação apaixonada, confiança e a fé em Deus que joão exibe fazem com que ele ‘suspenda a ética’. Essa suspensão é o grau de auto-realização e o mais alto nível de significado que os humanos podem atingir. Nietzsche e o desejo de poder de Mimosa A segunda grande idéia de Nietzsche: o desejo de poder. Nietzsche sugeriu que nos concentrássemos menos no desejo de subjugar os outros e mais em nossa necessidade individual de superar nossos instintos animais e reinventar a nós mesmos. Esse é um processo de auto-realização para ganhar poder próprio e lapidar nossas paixões, impulsos e caráter. O desejo de poder de Mimosa Por exemplo, Nietzsche fala muito a respeito da “mentalidade do rebanho”. Se Mimosa alcançar qualquer tipo de auto-realização, deve escapar do rebanho de suas amigas vacas e ignorar os ensinamentos morais com que elas têm sido envenenadas. Escape, Bess, e crie sua identidade. Isso é com você, garota, se você for uma vaca fraca ou forte. Exercite o desejo de poder interno. “O que uma pessoa é começa a ser revelado quando seu talento diminui, quando ela pára de nos mostrar o que pode fazer.” Nietzsche. Mimosa, então, dá adeus.

0 Comentários:

Postar um comentário

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial